sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Riscos de trabalho em tradicional comunidade agrícola














Analisada percepção dos riscos de trabalho em tradicionalcomunidade agrícola


por Sarita Coelho
Frederico Peres/Fiocruz

O uso de agrotóxicos na lavoura é o principal risco relacionado ao trabalho rural relatado por agricultores de Nova Friburgo, cidade da região serrana do estado do Rio de Janeiro.
Um estudo desenvolvido em uma tradicional comunidade agrícola de Boa Esperança, no quinto distrito do município, mostra que a maioria dos trabalhadores reconhece o uso desses produtos como causador de agravos à saúde.
Os principais sintomas citados são dor de cabeça, de barriga e tonteiras. Também é
possível perceber, na fala dos agricultores, estratégias defensivas para negar o risco, o que revela certa ambigüidade. A pesquisa foi publicada recentemente na revista científica
Cadernos de Saúde Pública, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp).
Uma equipe de pesquisadores da Fiocruz e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aplicou uma metodologia de diagnóstico rápido para avaliar a percepção dos riscos no trabalho rural. A coleta de informações se baseou em entrevistas com roteiro pré-definido. As perguntas contemplavam questões relacionadas ao trabalho, entre as quais, descrição da atividade, dificuldades encontradas, satisfação profissional, regime de uso
de agrotóxicos e problemas provocados por essa utilização.
Como o projeto estava centrado nos relatos de vida e experiências da população rural, os
pesquisadores procuraram minimizar os possíveis constrangimentos. Tomou-se o cuidado de não utilizar palavras rebuscadas e técnicas durante a entrevista e de não reforçar estereótipos ligados ao homem do campo. Dos 12 agricultores que constituíam os informantes principais, apenas um possuía o ensino fundamental completo. Os entrevistados eram formados por trabalhadores há mais tempo no campo, por aqueles que possuíam maior diversidade de lavouras em suas propriedades e por pessoas que já haviam abandonado a prática agrícola.
Trabalhadores que haviam abandonado a atividade agrícola por agravos de saúde decorrentes da exposição a agrotóxicos foram os mais detalhistas ao falar dos malefícios dos agentes químicos. As mulheres relataram serem menos atingidas por problemas gerados por essas substâncias, alegando que o processo de pulverização é tarefa masculina. Entretanto, elas afirmaram ajudar os maridos, puxando as mangueiras ou abastecendo os pulveriza dores. Todos os entrevistados disseram conhecer os riscos do uso dessas substâncias e contaram casos de intoxicações ocorridas com pessoas próximas, como vizinhos, meeiros e amigos.

Negação do risco
É possível perceber, entre os agricultores, o impulso de minimizar os riscos do uso de agrotóxicos. Esse hábito reforça uma tendência, observada em materiais educativos, de culpar o trabalhador pelo "mau uso" dos agentes químicos. "O senhor acha que todo mundo pode trabalhar com veneno? Pode trabalhar, depende se tiver prevenido, tem pessoas que é meio lambaião, quando vê fica intoxicado", disse um agricultor de 72 anos. Os entrevistados também associaram a contaminação às característicasindividuais.

Mauro Zurita Fernandes
Agrotóxico ( BHC )

Postar um comentário

Postagens populares

Google+ Badge